19 de mar de 2011

Ensinamento do sapato

Uma senhora entrou na loja 
disposta a pagar qualquer preço por um sapato novo, 
bonito e confortável. 
Experimentou um, 
calçou outro, 
e nada. 
Quando calçava bem, 
não era bonito. 
Se era bonito, 
não era confortável. 
Mesmo os modelos mais caros não agradavam, 
sempre faltava alguma coisa. 
Após experimentar uma enorme pilha, 
finalmente encontrou aquele que procurava. 
Macio, 
confortável e de modelo muito bonito. 
- Achei! 
Quanto custa? 
- perguntou.
- Nada madame, 
esse já está pago 
- respondeu o vendedor 
- esse a senhora estava calçando quando entrou na loja. 
É o seu!
Estava tão novinho, 
macio e confortável que não parecia ser seu velho sapato. 
Sem saber o que dizer, 
constrangida, 
despediu-se do vendedor.
Quantas vezes,
nos dispomos a pagar qualquer preço por um amigo alegre e jovial,
que saiba cantar e tocar,
e que esteja sempre disposto a nos acompanhar no clube,
nas festas,
enfim,
o amigo de todos os momentos.
Nessa ansiosa procura experimentamos pilhas de desilusões e
não percebemos que bem pertinho de nós
está alguém que já se amoldou tanto ao nosso modo de viver
que parece nem existir.
Ouve,
aceita,
caminha conosco.
Protege os nossos passos e o tratamos com descaso,
como aquele calçado que usamos todos os dias e
não cuidamos sequer de sua aparência.
Nada de graxa protetora,
nem ao menos um paninho úmido.
No entanto,
na hora da desgraça,
na angústia e na doença,
ele não desaparece e ressurge como um anjo salvador,
brotando de baixo daquela enorme pilha de falsos amigos.
A teoria diz que os melhores calçados
são aqueles de maior custo,
mas a prática mostra que os melhores amigos
são aqueles que recebemos gratuitamente.
A verdadeira amizade,
mesmo após muitos anos de uso,
parece sempre nova.
Alguns pequenos arranhões
são facilmente reparados com uma escova de brilho.
Algumas escovadinhas e reaparece o brilho do respeito e
da compreensão.
Reaparece o brilho do perdão.

2 comentários:

Padma Querido disse...

Obrigado amada !!!
Uma boa reflexão...nunca é demais , os tezouros estão junto a nós na maioria da vezes ..só que preferimos buscar fora. namastê!!!!
Que todos os seres possam beneficiar-se Padma

Rita Ferreira disse...

realmente meu querido amigo, a felicidade esta do nosso lado e as vezes queremos buscar fora....